Há uma tendência crescente entre jornalistas-blogueiros.

A de escrever tudo assim…

Uma coisa por linha.

Sem parágrafos.

Ou com todas as orações tranformando-se em um novo.

Eu não sei quem começou com isso.

Mas virou moda.

Gente boa, que admiro, ou admirava, agora escreve assim…

Talvez porque sintam-se mais inteligentes.

Querem reinventar a escrita.

Dizem que torna a leitura mais prática pra Web.

Não torna.

É chato!

É sem sentido!

É linguisticamente pobre.

E nem é correto.

Embora eu não seja nenhum especialista para dizer isso.

Quebra o fluxo natural da leitura.

Tira a coesão do texto.

Voltem para o ensino básico.

E reaprendam as regras para quebra de parágrafos.

E parem com essa frescura do cacete!

anderson

2 Responses to “A morte do parágrafo”

  1. Compartilho a mesma perplexidade, mas a resposta me parece óbvia. Trata-se de um bando de ignorantes, com péssima formação escolar, com pouquíssima leitura, que prefere ignorar aquilo que não compreende a se instruir. Dá menos trabalho, é mais fácil, não requer esforço nem inteligência. Simples assim.
    Abraço.

    • Eu não sei se o comentário refere-se aos que escrevem assim ou a seus leitores, mas talvez seja um pouco de cada. A má-formação desses jornalistas-blogueiros, a má-educação dos leitores, e a preguiça de ambos, levam a uma alternativa pobre e desconstrutiva.

      Obrigado pela visita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *