Pegando gancho no post anterior, sobre o meu nome, cito alguns dos apelidos que já tive, e seus respectivos contextos.

  • Nenê – Como já havia contado, é como a maioria da minha família me chama até hoje. Às vezes quando vão falar diretamente comigo, evitam, e falam meu nome mesmo, mas quando vão se referir a mim em conversa indireta é “Nenê” mesmo. Chega a ser engraçado. Acho que o grande problema com esse apelido é que eu o rejeitei por muito tempo. Se tivesse adotado de vez, teria sido mais fácil… É até legal. Só tem dois problemas com ele: 1 – os cariocas insistem em chamar de “Neném”, e “Neném” não dá, né?; 2 – Sempre que eu fazia algo errado, alguém dizia: “mas é nenê mesmo”.
  • Paçoca – Sabe aqueles apelidos bobos que te dão na escola, e você fica absolutamente contrariado, e aí alguns “amigos” fazem questão de chamá-lo assim só pra provocar? Então, é o caso. Mas não pegou. Praticamente só o criador, um amigo de infância, me chamava assim. Começou com Cara-de-paçoca, e depois ficou só Paçoca mesmo.
  • Dudu – Criação dos amigos “da rua” em Campinas. Tudo porque um deles (o Pezão) achava que eu tinha “cara de Dudu”. Depois veio variações, do tipo DumDum. Os amigos e parentes de Campinas ainda me chamaram de Dudu por muito tempo.
  • Gordo – Apelido ganho no colégio técnico (Industrial), por motivos óbvios. A curiosidade dele é que havia mais dois “Gordos” na nossa turminha. De porte e de apelido. Aí quando alguém chamava “ô Gordo!”, os três atendiam.
  • Fofão – É ritual de universitário batizar a todos com apelidos, logo no primeiro semestre. E eu tinha o meu e nem sabia! Quando mandamos fazer camisas personalizadas com os respectivos apelidos, e eu coloquei Anderson mesmo, é que vieram me questionar “por que não colocou Fofão?”. Foi nesse dia que eu descobri. Mas também não pegou muito. Acho que só usavam quando precisavam diferenciar de algum outro Anderson. “Ah, o Anderson Fofão”. Curiosidade: o número que escolhi para a camisa foi 80. E nada mais oitentista do que o Fofão.
  • Dedé – Esse é usado pela minha esposa e cunhados, mas é só quando querem fazer graça mesmo. Não faço idéia como chegaram nele…
  • Ândi – Nick adotado no mundo virtual. Nasceu como Andy, na verdade, meio que como abreviação do nome, mas eu sempre pronunciei ‘andi’. Como muitos diziam ‘endi’, que para mim soava estranho, aportuguesei o nick. Já pensei em abandoná-lo, mas nas comunidades do orkut que ainda participo já virou meio que identificação. Fica mais fácil assim. Esse nick já passou por relações com o personagem Andy Panda, e por trocadilhos com a Cordilheira dos Andes.

anderson

One Response to “Apelidos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *