Uma das coisas que me faz gostar da Filosofia é que sempre encontramos nela muitas reflexões sobre nossos dilemas existenciais. Mas nunca respostas. E isso é bom. Eu não sei se acontece com todos, mas eu sempre questiono os rumos que tomei, as escolhas que fiz, e se estou hoje onde deveria estar. Nietzsche provavelmenteRead more »

É natural pensarmos que as escolhas que realizamos na vida são feitas com base nos nossos valores e nas nossas opiniões. Mas existe uma peculiaridade de nossa espécie que talvez inverta essa ordem: a de criar teorias e hipóteses que fundamentem as escolhas realizadas. Acontece o tempo todo e pode ser notada em qualquer rodaRead more »

Ouvi por muitos anos, quando era mais moleque de tudo, que eu “prendia” muito meus sentimentos, guardava muita coisa. Deveria me abrir mais, ou aquilo poderia me sufocar, além de não ajudar em nada. Não sei se foi por influência das pessoas que me diziam isso – e me lembro claramente de um caso, queRead more »

A primeira vez em que almas se encontram é quando tudo realmente acontece. Os bons momentos, as boas sensações, as conversas inesgotáveis, os gostos comuns, as bobagens que serão lembradas por toda uma vida, com um perpétuo gostinho de quero mais. No segundo encontro das almas há certa magia inicial. Após longa distância física, enfimRead more »

De novo esse assunto… Como está em julgamento pelo STF a constitucionalidade das cotas universitárias, não resisti a comentá-lo novamente. Já abordei o tema de forma direta há muito tempo atrás, ainda no blog antigo. Desde então, já mudei demais minhas opiniões (por isso preferi nem linká-lo aqui), muito devido à maturidade e aos intensosRead more »

Seja na carreira ou na vida mesmo, nossa cultura nos ensina desde cedo algumas regras básicas para sobrevivência. Nasce com um “faça a sua parte”, um “não seja bobo” e um “não confie em ninguém”, mas logo evolui para algo como “o mundo é dos espertos”, “garanta sua parte, doa a quem doer” ou umRead more »

Sempre ouvi dizer que as pessoas engordam depois que casam. Claro que não são todos (e os magrelos de plantão não precisam se revoltar), mas é uma tendência. Só que a idéia passada junto com essa “brincadeira” (ou “constatação”?) é de que os recém-casados engordam por puro relaxo! Algo do tipo “já estou casado mesmo,Read more »

Que feio, depois de mais de um mês sem escrever no blog, estou apelando para um texto velho. Este foi escrito no blog antigo, o Rapsódia, em 12/04/2005. Mas há pelo menos duas boas razões (desculpas) para eu requentá-lo aqui, agora. O primeiro, óbvio, é pra tirar a poeira de cá e ir aquecendo paraRead more »

Há uma tendência crescente entre jornalistas-blogueiros. A de escrever tudo assim… Uma coisa por linha. Sem parágrafos. Ou com todas as orações tranformando-se em um novo. Eu não sei quem começou com isso. Mas virou moda. Gente boa, que admiro, ou admirava, agora escreve assim… Talvez porque sintam-se mais inteligentes. Querem reinventar a escrita. DizemRead more »

Meu texto preferido dos vigésimos terceiros dias de setembro, por razões óbvias, desde 2004, quando o publiquei no Mondo Redondo. A julgar por tua beleza natural, pela fragrância que emites silenciosa, pelo néctar que ofereces ao admirador, ou pelas cores que de ti a mim refletem, poderia afirmar que és a mais bela flor, frutoRead more »

Próxima Página »