Sempre se soube que essa história de usina nuclear não daria certo. Que isso daria em algum desastre catastrófico era algo tão certo e previsível quanto um terremoto e consequente tsunami no Pacífico.

O bizarro agora é ver gente lamentando pelos japoneses, ou, os mais frios, agradecendo estar no outro extremo da globosfera. Pois acredite: ninguém passará ileso por essa degradação desencadeada.

Chernobil não foi suficiente
Por que se explicar se não existe perigo?

Eu não quero acordo nuclear
Eu não quero acidente nuclear
Eu não quero lixo nuclear
Eu não quero a bomba nuclear

Let the sky explode,
And the world remembers his name,
Remembers the flame was Hiroshima Fukushima…

Quando as estrelas começarem a cair
Me diz, me diz pr’onde é que a gente vai fugir?

Vamos brincar perto da usina
Deixa pra lá…

Músicas citadas:

anderson

3 Responses to “Rapsódia apocalítica”

  1. Temos Fukushima, temos um governo Brasileiro que quer fazer até 50 novas usinas nucleares no Brasil, temos mineração radioativa de urânio na Bahia e daqui há pouco mais uma mineração de urânio no Ceará (Santa Quiteria) e possivelmente também uma grande mina de Urânio São José de Espinharas, na Paraiba…

    PRESS RELEASE, 24/03/2011

    URÂNIO EM MOVI(E)MENTO

    1º FESTIVAL INTERNACIONAL DE FILMES SOBRE ENERGIA NUCLEAR

    RIO DE JANEIRO 21 A 28 MAIO 2011

    Urânio em Movi(e)mento, o 1º Festival Internacional de Filmes sobre Energia Nuclear, convida a imprensa para seus eventos no Rio de Janeiro, nos dias 21 a 28 de Maio de 2011. O festival acontecerá em dois centros culturais históricos do Rio de Janeiro, Parque das Ruínas e Laurinda Santos Lobo, ambos em Santa Teresa. Com entrada franca.

    Foram selecionados 15 documentários e filmes de longa metragem e 19 de curta metragem: 7 filmes dos EUA, 5 do Brasil, 5 da Alemanha, 4 da Austrália, 3 da França, 2 da África do Sul, 1 da Costa Rica, 1 da Suécia, 1 da Rússia, 1 da Índia, 1 da Dinamarca, 1 da Geórgia/Holanda, 1 do Canadá e 1 do Reino Unido.

    O Festival vai exibir 18 premières latino-americanas e 2 premières mundiais. Os filmes mostram o mundo nuclear e os riscos nucleares. Desde a mineração de urânio às usinas nucleares, do transporte do lixo radioativo (Castor) aos acidentes com navios nucleares, de Chernobyl e ao acidente com o Césio 137 em Goiânia; de Hiroshima ao escândalo da munição radioativa dos Estados Unidos nas guerras no Iraque.

    Será um festival de revelações como: “A Bomba Suja do Pentágono”, do diretor costa riquenho Pablo Ortega e a produção alemã “Der Uranberg”, sobre a história da mineração de urânio na Alemanha Oriental para a fabricação da bomba atômica soviética. Importante para a discussão atual sobre a segurança das usinas nucleares vai ser o filme “Pedra Podre”, que fala sobre as problemas das usinas nucleares Angra 1 e 2, no Sul do Rio de Janeiro.

    O Festival contará com uma exposição fotográfica, durante todo o mês de Maio, no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo, sobre o acidente com o Césio 137 em Goiânia, em 1987, o maior acidente nuclear da América Latina. E uma exposição, no Centro Cultural Parque das Ruínas, com a coleção de cartazes do movimento mundial anti-nuclear, organizada pela Fundação Laka (Holanda).

    “No começo de 2010, quando nós planejamos o Festival, pensamos sobre o acidente nuclear de Goiânia de 1987, e sobre o desastre de Chernobyl, em 1986. Nós não imaginávamos que 25 anos depois de Chernobyl iria acontecer Fukushima”, fala o Diretor do Festival Norbert Suchanek.

    Depois do Rio de Janeiro, o 1º Festival de Filmes sobre Energia Nuclear viajará para São Paulo (3 a 5 de junho) e para as cidades de Recife, Natal, João Pessoa e Fortaleza (agosto). Em setembro, o Festival chegará à Salvador, a capital da Bahia, o Estado que recebeu a segunda mineração de urânio no Brasil, em Caetité/Lagoa Real.

    Gratos pela atenção

    Nos encontramos em maio em Santa Teresa

    Marcia Gomes de Oliveira

    Coordenadora

    1º Festival Internacional de Filmes sobre Energia Nuclear

    Para maiores informações, por favor entre em contato:

    URÂNIO EM MOVI(E)MENTO

    Telefone: 0055-21-2507 6704
    info@uraniumfilmfestival.org
    http://www.uraniumfilmfestival.org

    Rua Monte Alegre 356/ 301
    Santa Teresa
    Rio de Janeiro / RJ
    CEP 20240-190

    URÂNIO EM MOVI(E)MENTO / Uranium Film Festival
    é um projeto em cooperação com a Ong Baobá – http://www.ongbaoba.org

    Principais apoios e parceiros:

    Heinrich Boell Foundation Rio de Janeiro
    WISE World Information Service on Energy Amsterdam
    Laka Foundation Amsterdam
    AG uranium-network.org Freiburg
    Escola Técnica Estadual Adolpho Bloch Rio de

  2. O bom da indústria dos combustiveis fósseis é que, apesar dela matar milhares de pessoas, ela mata lentamente e em várias pontos do mundo.

    Já as usinas nucleares, apesar de matarem muito, muito menos (quantas fatalidades foram causadas pela usina de Fukushima? Three Mile Island? Chernobyl? ), recebe todo o “bad press” das insanas bombas atomicas, apesar de ser tão parecido com elas quanto uma banana é parecido com um tomate (sim, ambos são frutas, assim como ambas sao atomicas).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *