A maioria dos visitantes deste blog e/ou meus amigos (normalmente as duas coisas coincidem) já devem conhecer o site Os Comilões. Ele foi criado com o propósito de compartilhar opiniões e dicas sobre restaurantes, bares e lanchonetes de São Carlos (a princípio).

A idéia nunca foi apresentar uma opinião formal, como explicamos na seção Quem Somos do site, posto que não somos especialistas da culinária ou turismo gastronômico. A idéia é mesmo fazer uma troca de experiências, dar aquela dica de amigo, sempre com o intuito mais de divulgar boas opções do que sair criticando os lugares (e eu até já recebi críticas por essa opção). Afinal, como costumo dizer, se o serviço é honesto, gostar ou não é questão de preferência pessoal. Cada um tem a sua. Inclusive é uma das propostas do site torna-lo uma ferramenta colaborativa, aceitando postagens de colaboradores, e principalmente comentários que agregassem opiniões diversas sobre cada lugar visitado.

Nesses oito meses de existência, o site não tornou-se nenhuma referência no assunto na cidade, mas muita gente que visita sempre volta para pegar algumas dicas diferentes de lugares para conhecer. Acaba sendo um meio legal e democrático de divulgação das opções gastronômicas da cidade. Bom para os comerciantes. Nós nada ganhamos com isso, a não ser o prazer de compartilhar opiniões e boas dicas. Porque aquilo que você dá, também recebe.

Infelizmente, apesar das boas intenções do site e da boa vontade na maioria das resenhas feitas, Os Comilões estão sob risco. Lamentavelmente, o que deveria ser um aliado dos comerciantes, devido à publicidade gratuita e incentivo à atividade, parece transformar-se em ameaça para alguns deles.

Eu brinco com meus colegas comilões que, não importa quanto elogio seja feito, se houver uma única crítica, é essa que vai doer ao dono do estabelecimento. É até natural e saudável, posto que a maioria busca (ou deveria buscar) incessantemente a excelência no atendimento. Mas não deixa de ser irônico que, entre dez elogios e um único comentário mais crítico, seja este último a chamar mais a atenção, e fazer parecer que o texto todo foi para falar mal do lugar. E não foi. Nunca é. Não temos essa pretensão.

Se nossas críticas pontuais em meio a outros elogios incomoda, que dirá os comentários de nossos visitantes – sobre os quais o único controle que temos é o da aprovação ou reprovação, e que por princípio democrático optamos pela primeira opção em 90% dos casos (os 10% restantes são os reservados para os que partem para ameaças físicas, acusações graves sobre a reputação dos comerciantes, ou coisas do tipo, quase sempre com uso de palavrões). E é com os comentários que começaram a surgir os primeiros problemas…

Primeiro foi uma pizzaria delivery que não gostou de um comentário dizendo que o pizzaiolo era ruim, e alegando estar sob nova direção, exigiu que o comentário – e o texto – fosse retirado, o que recusamos. O que poderia ser feito neste caso é uma nova experiência, sem aviso prévio, para que tenhamos a nova impressão do lugar. Mas as opiniões expressas nos comentários são pessoais, e de responsabilidade do visitante.

Mais recentemente, no texto sobre um estabelecimento do qual já escrevemos três vezes (tratando serviços diferentes), e em que todos haviam muito mais elogios do que críticas, e as críticas eram sobretudo pela demora no atendimento, um comentário de um visitante que não conhecemos criticando justamente este problema – talvez de forma agressiva e até preconceituosa, é verdade – causou uma reação desproporcional de pessoas envolvidas com o restaurante (alguns se identificando como funcionários, outro que parecia ser o dono, e por aí vai).

Eu entendo que esses comerciantes sejam pessoas honestas que dão o duro para manterem seus negócios, e é difícil receber críticas, sobretudo as agressivas. Mas não pode ser que eles achem que reações agressivas contra clientes insatisfeitos melhorará a imagem do lugar. Perdem a oportunidade de esclarecer o problema, trazer o cliente de volta, e ganhar o respeito dos demais que acompanham o caso.

O maior exemplo disso aconteceu no último final de semana. Em um texto que era só elogios sobre uma pizzaria, um visitante havia deixado o seguinte comentário:

Douglas on 16 de janeiro de 2012 às 6:50

Lugar muito bonito, pena que ontem dia 16/01/2012 caiu uma barata no braço da minha namorada, que passou pelo prato dela, caiu no chão e depois subiu pela minha minha perna pelo lado de dentro da calça. Tive que esmagar ela com a minha calça e ir no banheiro tirar…

Todo mundo viu, todos os garçon e simplesmente cobraram a pizza e nem desculpa pelo ocorrido pediram.

Pena na hora não ter feito um vídeo pra postar…

 

E aí eu pergunto aos meus amigos: o que deveríamos fazer? Reprovar um comentário com nome e data, narrando um fato relevante e pessoal?

Do mesmo modo que abrimos o espaço para qualquer visitante deixar seu depoimento, ele fica aberto para que o estabelecimento dê sua versão dos fatos. Mas ao contrário disso, o que recebemos foi uma espécie de ameaça:

antonio carlos on 12 de fevereiro de 2012 às 15:19

boa tarde parabens pelo trabalho de vcs, acredito que nao devam ter autorizacao para direito de imagem muito menos divulgarem comentarios maldosos, sendo que um dos padroes e objetivos da casa e zelar pela higiene e qualidade, gostaria que retirassem o nome da pizzaria {nome da pizzaria} desse site caso contrario resolveramos atraves da justica.

 

As fotos usadas nos posts são tiradas com nossa própria câmera, e para falar a verdade não mostram muita coisa. Normalmente é o prato servido e uma foto da fachada. Quanto ao fato comentado pelo visitante, talvez seja invenção (como vamos saber?),  mas se o comentarista “antonio carlos” for algum representante da pizzaria, não teria sido mais elegante se dispor a esclarecer o fato, convidar o tal Douglas a explicar o ocorrido, e mostrar atenção e preocupação com o atendimento? Afinal, uma barata isolada no estabelecimento não significa necessariamente falta de zelo pela limpeza e higiene, posto que é um inseto que pode vir da rua num abrir e fechar de portas…

Depois de algumas manifestações de apoio que recebemos nos comentários deste mesmo post, e também pelo Facebook, veio um novo comentário, agora sim identificando-se pela pizzaria…

{nome da pizzaria}* on 13 de fevereiro de 2012 às 9:28

Bom dia a todos em nome da pizzaria {nome da pizzaria}*, gostariamos de esclarecer e nos desculpar que tal comentario nao foi feito por NOS. deve ter ocorrido um mal entendido ou ALGUMA BRINCADEIRA DE MAL GOSTO QUE TAMBEM ACHAMOS UM POUCO INDELICADA, MESMO ASSIM PEDIMOS DESCULPAS PELO MAL ENTENDIDO.

 

Não dá para afirmar se foi realmente um mal entendido, ou se voltaram atrás quanto a reação que tiveram. De qualquer forma, bem melhor assim.

Mas deixo cá a pergunta para nossos amigos, principalmente os que entendem da legislação e o mundo “virtual”. E se a ameaça se concretizasse? E se outras vierem? E se o estabelecimento sentir-se prejudicado? Estamos errados em expor nossas opiniões, e liberar as de nossos visitantes? Como funciona esse tipo de direito para redes colaborativas, sobretudo as que trabalham especificamente com isso, como Foursquare e Google Places?

Gostamos do nosso site e sempre desejamos que ele fosse útil para os muitos comilões são-carlenses – e quem sabe num futuro breve em outras praças também. Agora, se for para prejudicar comerciantes honestos ou limitar as opiniões do público, não vale a pena…

 

*Nota: optei por omitir os nomes dos estabelecimentos, sobretudo da pizzaria do caso da barata, porque não é o objetivo desse post depor contra, mas apenas levantar o debate – e pode até ser que cheguemos a conclusão de que eles estão certos, no direito deles. E, no caso das baratas, principalmente, pode tratar-se de um mal entendido mesmo, ou até uma história inventada, e não quero ser injusto. Sem contar a possibilidade de a ameaça ter sido real, e aí é melhor evitar mais problemas com eles… 😛

 

anderson

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *