Nota inicial: como tenho muitos amigos/leitores corinthianos, e costumeiramente falo de futebol por aqui, vale o alerta de que o referido no título deste post não é o Doutor, o Magrão, aquele que talvez seja meu maior ídolo na história do alvinegro do Parque São Jorge, não só pelo que jogou mas principalmente pelo que representou para o clube e para o contexto social do início dos anos 80. No caso, estou falando do filósofo grego mesmo. De qualquer forma, é só uma referência inicial, e não o assunto central deste texto.

Sócrates era programador, ou pelo menos é o que me parece sempre que começo a estudar uma nova técnica, uma nova ferramenta, uma nova metodologia, e etc. Só sei que nada sei (teria dito o filósofo), e quanto mais me aprofundo nos livros, exemplos e tutoriais, mais ciente eu fico do tamanho da minha ignorância! Mais perdido me sinto.

É verdade que os profissionais de TI ainda carregam o fardo de os leigos acharem que, por sermos da área, saberemos resolver qualquer problema que eles tenham ao manipular qualquer dispositivo que opere com sinais de dois bits. O que até poderia fazer algum sentido 20, 30 anos atrás (duvido muito), mas que hoje só me faz lembrar daquela perguntinha básica: e se os motoristas fossem contratados como profissionais de TI?

Não dá para saber bem sobre muitas coisas em TI, mas ainda que tudo ficasse restrito a única ferramenta, a uma única linguagem de programação, num único paradigma, ainda assim, toda a literatura, todas as possibilidades de arquiteturas, patterns e frameworks disponíveis e atualizadas e distribuídas em novas versões quase que diariamente, eu não daria conta de conhecer o suficiente para estar certo de fazer sempre as melhores escolhas. Até porque, mesmo as melhores escolhas de hoje (se é que isso existe) tornam-se obsoletas muito rapidamente.

Agora imagina eu ter que trabalhar todos os dias com pelo menos duas plataformas (ASP.NET e PHP) totalmente diferentes, sem contar as infindáveis ferramentas e tecnologias orbitantes (SQL Server, MySQL, PostgreSQL, Javascript, JQuery, AJAX, MVC, WebService, ORM, TDD, DDD, JSON, XML, XSL, CSS, RSS, SOA, REST, e o raio que o parta)… Eu não dou conta!

Um erro comum que costumo cometer é achar que, por ignorar tanta coisa, o outro está sempre na minha frente. Dia desses vi um dos caras mais influentes num determinado grupo que participo apanhando para configurar o teclado de seu notebook! Ou seja, há menos diferença cognitiva entre as pessoas do que diferenças de valores, de objetivos, culturais e de experiência de vida. É por isso que respeito os mais velhos, pois mesmo os que têm menos estudo, em algum ou em vários assuntos são muito mais sábios do que eu. E é por isso também que não posso entender ou aceitar a arrogância humana.

Conhece-te a ti mesmo (outra frase atribuída a Sócrates), e verás quão ignorante é!

anderson

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *