E no fim, acabou dando a lógica. O que eu já vinha afirmando, neste espaço, desde a 12ª rodada. Rodou, rodou, teve alguma emoção, muito em função dos vacilos do Fluminense ao longo do campeonato, mas acabou vencendo o melhor elenco (talvez não o mais completo, mas o com mais peças importantes para reposição), que tinha o melhor técnico, o melhor jogador e a diretoria mais ousada, que teve peito para barrar a ida do seu técnico para a seleção e que teve ambição para trazer grandes nomes no meio do campeonato e reforçar ainda mais o time.

Ao Corinthians, que perdeu seu técnico para a seleção, que não soube corrigir carências graves de seu elenco, especialmente no ataque, restou o terceiro lugar. E eu, que já me considerava completamente e absolutamente resignado com a perda desse título, embora não menos decepcionado, ainda consegui me revoltar absurdamente na última rodada, vendo um time apático, sem brilho, sem vontade, e sem futebol, sucumbir diante dos reservas dos reservas do rebaixado Goiás. Agora ainda tem que aguentar tiração de sarro dos cruzeirenses, que acham que terminar em 2º é muito diferente de terminar em 3º.

Na prática, só há uma diferença importante, e que pelo jeito nem o técnico do Corinthians conhecia:

“Não temos de esperar o Goiás na Sul-Americana? É pré-Libertadores direto?”

Não se podia esperar resultado diferente, melhor, de um grupo comandado por alguém tão despreparado como o Tite.

"Sempre vou ser corintiano, independentemente de onde estiver" - frase de despedida do Elias, que está indo para o Atlético de Madrid

O que dá pra salvar de positivo do campeonato, além do orgulho corinthiano intacto, é que nenhum torcedor rival tem moral pra falar absolutamente nada. Além de ficarem para trás na tabela, com campanhas pífias, ano desastroso e coleção de vexames, ainda terminam o campeonato com saldo horrível diante do arquirrival de todos: o Corinthians.

Para encerrar o assunto e o campeonato, deixo uma música que, pelo jeito, tem tudo a ver com esse grupo (jogadores, comissão técnica e dirigentes) do Timão.

Terceiro
(Ultraje a Rigor)

Todo equipado, preparado na linha de partida
Daqui a pouco vai ser dada a saída
Todo mundo nervoso e eu não tó nem aí (O importante é competir!)

Então tá, vamo lá, nem vou me preocupar
Já tá tudo armado pra eu me conformar
Eu vou tentar só pra não falar que eu nem sou atleta

Ia ser legal chegar junto na frente
Mas iam falar que quero ser diferente
Tá bom demais, pelo menos eu não saio da reta
Por isso eu sempre sou

Terceiro! Ôba-Ôba!
Terceiro! Ôba-Ôba!
Terceiro! Ôba-Ôba!
Terceiro! Ôba-Ôba!
Terceiro!
Pra mim tá louco de bom!

Marcando passo vou seguindo sem ser muito ligeiro
Com cuidado pra não ser o primeiro
É bonito, eu imito mas o pódium não é pra mim (Eu não sou a fim!)

Se eu me esforço demais vou ficar cansado
Já dá pra enganar eu ficando suado
Se reclamarem eu boto a culpa no patrocinador

Não botaram fé porque não ia dar pé
Não ia dar pé porque não botaram fé
De qualquer forma eu pego um bronze porque eu gosto da cor
Por isso eu sempre sou

Terceiro! Ôba-Ôba!
Terceiro! Ôba-Ôba!
Terceiro! Ôba-Ôba!
Terceiro! Ôba-Ôba!
Terceiro!
Pra mim tá louco de bom!

anderson

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *