Às vezes tenho a sensação que brasileiro, até hoje, não aprendeu como funciona eleição com 2º turno.

Um dos erros mais comuns e absurdos que costumo ver é quando alguém desiste de seu candidato de preferência porque “ele não tem chance, não adianta”. Aí, motivado por pesquisas (normalmente duvidosas), a pessoa acaba limitando sua escolha entre um dos dois que lideram as pesquisas, por oposição ao outro.

Exemplo típico no cenário político atual: quem não gosta do PT, vota no PSDB, e quem não gosta dos tucanos, vota no PT. Mesmo que tenha outro candidato de preferência.

É uma questão de lógica: a eleição só é decidida em primeiro turno se um dos candidatos obtiver 50% dos votos válidos, mais um. Trocando em miúdos, os votos de todos e quaisquer candidatos do segundo colocado em diante contribuem para que a eleição não seja decidida em primeiro turno. E se o seu candidato for o primeiro colocado nas pesquisas, ora, melhor pra você se ele for eleito em primeiro turno!

Vamos usar a próxima eleição para presidente como exemplo.

Alguns comentários comuns, e errados:

Eu queria mesmo é votar no Plínio de Arruda, mas é jogar voto fora. Então vou votar no Serra pra forçar segundo turno, porque não gosto da Dilma.

Não! Você não precisa votar no Serra só porque ele é o segundo nas pesquisas, para assim forçar o segundo turno. Qualquer voto que você faça será somado ao total de votos válidos, e se o seu voto não for para o primeiro colocado, automaticamente contribuirá para o segundo turno com o segundo colocado, ainda que esse tenha apenas uns 10% dos votos válidos.

Eu gosto da Marina! Mas vou votar na Dilma porque não gosto do Serra.

Você não precisa fazer isso. Mais uma vez, entra a lógica matemática simples. Para a Dilma se eleger, ela terá que ter 50% dos votos válidos, mais um. Se ela tiver 50% da preferência, e for seu esse “mais um” de desempate, basta você votar nela no segundo turno, que ela se elege.

É para isso que serve o 2º turno. Para impedir que um candidato que tenha mais rejeição do que aprovação seja eleito. Então, vote no candidato que você considera ideal, sem se preocupar com nada disso. Deixa para votar por rejeição a outro candidato, se for o caso, apenas no segundo turno.

Eu sempre faço isso. Já votei em Ciro Gomes e Cristovam Buarque. E agora votarei na Marina!

Vote Marina Silva 43

Clique e veja 43 razões para votar em Marina

anderson

2 Responses to “Vote no seu candidato! (A lógica das eleições com 2º turno)”

  1. Pois é. Aí, numa cidade como São Carlos, simplesmente não tem segundo turno nas eleições municipais. Aí não vale essa lógica…

    Numa eleição equilibrada como a de 2008, poderia ter entrado um candidato rejeitado pela maioria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *